Americanense tenta voltar para a China há 4 meses


Relato

Cantora veio para Americana em fevereiro, mas não conseguiu retornar para casa por conta das restrições de voos estrangeiros

Desentupidora Daqui da Cidade Faz todos os serviços de  Desentupidora em todos Bairros da Cidade, a qualquer hora do dia ou a da noite pode contar com A Desentupidora Daqui da Cidade atende em qualquer bairro da Cidade e em toda a Região. A Desentupidora da Cidade faz todos os serviços de Desentupimento de Esgoto neste que é um dos Bairros mais querido da nossa Cidade. Caso queira ver nossa tabela de preço para serviço de Desentupidora em Cidade Clique aqui.

Desentupidora Daqui da Cidade atende 24 horas em todos os bairros da Cidade

Desentupidora
Desentupidora Daqui da Cidade
 

Por Leonardo Oliveira

21 de junho de 2020 às 07:35 • Última atualização 21 de junho de 2020 às 07:48

O reencontro com uma família após quatro anos se tornou pesadelo para a cantora americana Thaísa Barbosa, de 35 anos.

Ela, que vive na China há dez anos, retornou ao Brasil em fevereiro para matar a saudade de pais e amigos.

Thaísa e a família vivem desde 2010 na cidade chinesa; agora, tente retornar ao país para retomar a rotina – Foto: Arquivo Pessoal

Agora, não consegue mais voltar para o exterior diante da limitação que o país asiático impõe aos voos estrangeiros.

A vida dela, marido e filho, de oito anos, está toda concentrada em Dongguan, cidade de 8,3 milhões de habitantes a cerca de 2 mil milhas da capital Pequim.

Desde 2010 o casal vive no município. Thaísa dá aulas de inglês em uma escola, enquanto o companheiro é músico em um bar local com raízes brasileiras.

Esses quatro meses longe de casa feita com que a família era obrigada e pedir que um amigo desocupasse a residência que morava na China. Não havia como pagar o aluguel sem estar usando o imóvel.

A vida no país asiático aos poucos está voltando ao normal e a família, sem poder de embarcar, perde os primeiros passos desse movimento.

“Nós ficamos no Brasil sem o reembolso da passagem, gastando muito mais do que o planejado para as férias. Eu estava pagando aluguel da minha casa na China, não estava recebendo o salário porque estou em férias e ainda correndo o risco de perder o emprego lá ”, disse ao LIBERAL.

Thaísa está morando na casa de pais em Americana e dando aulas online para alguns de seus alunos chineses.

Vivendo com uma reserva financeira guardada durante os últimos anos, ela não pensa em permanecer definitivamente no Brasil.

“As opções de educação para meu filho na China também são muito melhores, oportunidade de trabalho e qualidade de vida. A falta do Brasil é apenas da família. Agora, com essa pandemia, uma crise aqui e muito mais desemprego, não é a nossa primeira opção a não ser que não tenha nenhuma forma de voltar ”, relata.

Quando Thaísa embarcou para o Brasil em fevereiro, a China vivia como primeiras semanas de pandemia. Já instalada em Americana, uma cantora também viu perto dos primeiros casos confirmados no país e na cidade. O modo como os dois países enfrentam o Covid-19 é completamente diferente, segundo ela.

Embora o governo chinês tenha desmembrado para admitir a presença de vírus, assim como as medidas de combate a ameaças anunciadas, uma população como cumprida.

“Com poucos dias de anúncio já foi tudo parado, tudo bloqueado, e ninguém viajou para lugar nenhum. Logo no início foi orientado a usar máscara ”, disse.

Uma família americana quase não conseguiu pegar o voo para o Brasil diante do surgimento dos primeiros casos na China.

No aeroporto chinês, era a temperatura dos passageiros e as perguntas sobre a cidade de origem eram antes do embarque. Na chegada ao Brasil, esses procedimentos não foram adotados.

A China conseguiu controlar o avanço de vírus e até recuperar muitos setores de sua economia. Até as aulas voltaram. Além disso, o país tem testado em massa na sua população.

“Como as pessoas estão sendo obrigadas a fazer o teste e o resultado fica registrado no celular, através de um aplicativo, onde é possível mostrar se foi infectado ou não. Em todos os locais públicos é exigido que você mostre uma espécie de QR Code, que mostra se você é negativo para Covid-19 ”, disse Thaísa.

Podcast Além da Capa
O mais votado dos cinco títulos mundiais da seleção brasileira? A resposta é aceita, depende da percepção de cada um. Independentemente disso, a conquista da Copa do Mundo de 1970, no México, completa 50 anos sem ameaçar seu lugar no Olimpo de futebol. O ambiente de Americana naqueles dias de junho pauta essa edição do Além da Capa. O editor Bruno Moreira conversa com o repórter Rodrigo Alonso, além de contar com a contribuição de convidados.



Fonte: Post Completo