De amigo, Wassef passa agora a uma pedra no sapato de Bolsonaro – Correio do Brasil


Segundo a Polícia, Queiroz estava hospedado por Wassef havia mais de um ano. O criminalista nega que tenha desistido Queiroz ou que tenha tido contato com ele, mas não explica como o ex-assessor do então deputado Flávio Bolsonaro chegou até o imóvel.

Por Redação – de Brasília e São Paulo

O senador Flávio Bolsonaro contratou, na noite passada, o advogado Rodrigo Roca em substituição ao criminalista Frederick Wassef. Amigo do presidente Jair Bolsonaro, agora em rota de colisão com a família presidencial, Wassef é dono do escritório onde Fabrício Queiroz foi preso na manhã de quinta-feira na cidade de Atibaia (SP).

Desentupidora Daqui da Cidade Faz todos os serviços de  Desentupidora em todos Bairros da Cidade, a qualquer hora do dia ou a da noite pode contar com A Desentupidora Daqui da Cidade atende em qualquer bairro da Cidade e em toda a Região. A Desentupidora da Cidade faz todos os serviços de Desentupimento de Esgoto neste que é um dos Bairros mais querido da nossa Cidade. Caso queira ver nossa tabela de preço para serviço de Desentupidora em Cidade Clique aqui.

Desentupidora Daqui da Cidade atende 24 horas em todos os bairros da Cidade

Desentupidora
Desentupidora Daqui da Cidade
 
Wassef passa um advogado da família Bolsonaro a uma ameaça velada ao exigir o presidente da República
Wassef passa um advogado da família Bolsonaro a uma ameaça velada ao exigir o presidente da República

Segundo a Polícia, Queiroz estava hospedado por Wassef havia mais de um ano. O criminalista nega que tenha desistido Queiroz ou que tenha tido contato com ele, mas não explica como o ex-assessor do então deputado Flávio Bolsonaro instalou-se no imóvel. Você já foi advogado de Sérgio Cabral até 2018, quando o ex-governador selecionou fazer delação, contrariando sua estratégia de defesa na época. Cabral segue preso no Rio de Janeiro.

Wassef deixou a defesa do senador Flávio Bolsonaro (republicanos-RJ) no inquérito ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPE-RJ) que suspeita de que o senador se apropriou e desviou os funcionários de seu gabinete quando era deputado estadual no Estado, um esquema conhecido como “rachadinha”, informou ou publicou uma publicação na sua conta no Twitter.

Redes sociais

Wassef deixou a defesa de Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, depois de, na semana passada, Fabrício Queiroz, ex-assessor parlamentar do senador, sendo preso em um imóvel que pertencia ao advogado em Atibaia, interior de São Paulo. Wassef já representou o presidente da República, é o próximo membro da família Bolsonaro. Ele foi visto com frequência no Palácio do Planalto, em Brasília.

“A lealdade e a competência do advogado Frederick Wassef são imprescindíveis e insubstituíveis. No entanto, por decisão dele e contra a minha vontade, acreditar que está sendo usado para prejudicar um candidato e mim ao presidente Bolsonaro, deixa a mesma causa de algo que aconteceu de errado ”, escreveu Flávio Bolsonaro em sua conta no Twitter no domingo.

Durante o fim de semana, tanto Flávio, que irregularidades e declarações que são alvos de uma perseguição que visam atingir seu pai, quanto o Bolsonaro postaram mensagens nas redes sociais afirmando que a verdade será liberada.

Testemunhas

No Rio, Flávio Bolsonaro é investigado, além de investigar sobre suspeita de "corrupção" na Assembléia Legislativa do Estado, também na Justiça Eleitoral por suspeitas de falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, que envolvem uma declaração de bens do senador nas eleições de 2014 , 2016 e 2018.

A interlocutores, no entanto, o presidente Bolsonaro declarou estar irritado com Wassef, "de saco cheio", disse, segundo a colunista Mônica Bergamo, do diário conservador paulistano Folha de S Paulo (FSP) O advogado decide deixar seus clientes em situação ainda mais difícil, o juiz Flávio Itabaiana Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ).

Milícia

O magistrado citou mensagens de Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz, em que ela comparou o marido com um bandido “que está preso a enviar pedidos aqui para resolver tudo”. Ainda pesa o fato de que uma das testemunhas que ouviram ser ouvido foi Danielle Nóbrega, ex-mulher do capitão do Bope, Adriano Nóbrega, miliciano morto no começo deste ano pela polícia na Bahia e que era ligada à família Bolsonaro.

Nóbrega era o chefe do escritório de crime, grupo de matadores de aluguel com sede no Rio e suspeito de envolvimento com a morte da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada pelo crime organizado. Ela era ativista de direitos humanos e denunciava a truculência policial, bem como a atuação de milícias nas favelas.



Fonte: Post Completo